Portal da USP Portal da USP Portal da USP

TERRITÓRIOS AUTÔNOMOS ZAPATISTAS: ESBOÇOS DE UMA GEOGRAFIA ALTERNATIVA

Fábio Márcio Alkmin, Graziela Menezes de Jesus

Resumo


Observa-se nas últimas três décadas a emergência política de diversas organizações indígenas nos países latino-americanos. Um divisor de águas desse fenômeno foi o levante armado do Exército Zapatista de Libertação Nacional (EZLN), em 1994, no estado de Chiapas (México). Entre as demandas já “tradicionais” dos povos indígenas, como a questão da permanência à terra, o movimento zapatista incluiu em sua pauta política a reivindicação por autonomia, entendida, nesse contexto, como um distinto regime jurídico-territorial que permita aos povos indígenas mexicanos o exercício concreto da autodeterminação. Após o fracasso na aprovação de uma lei que definisse os marcos legais desse regime autonômico os zapatistas decidem consolidar unilateralmente a autonomia que já vinha desenvolvendo em suas comunidades, desde o final de 1994. A partir dessa “autonomia em resistência” suprimiram qualquer tipo de relação com o Estado. As mudanças dessas relações de poder se projetaram no espaço, onde, a partir da conformação de comunidades, municípios e zonas autônomas, criaram-se governos paralelos zapatistas, operantes até a presente data. Um panorama dessa estrutura político-territorial é o objeto do presente artigo.

Palavras-chave


Autonomia, Território, Movimentos indígenas, América Latina, EZLN

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.1808-1150.v0i19p158-195

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.