Portal da USP Portal da USP Portal da USP

A crônica rap como expressão do rap brasileiro hegemônico

Carlos Malaguti

Resumo


Este artigo é parte de uma pesquisa que busca compreender a expressão do engajamento social e político do rap paulistano, tomando como fonte os próprios discos de rap gravados na primeira metade dos anos 1990. Para realizar tal pesquisa, foi utilizada a metodologia defendida por José Geraldo Vinci de Moraes, que observa diálogos musicais existentes e relaciona letra e música, sem privilegiar uma das partes da canção.

Pretende-se discutir que apesar de o Centro de São Paulo ter sido um agente fundamental para a consolidação do rap paulistano, essa manifestação artística foi paulatinamente se distanciando desse palco, passando a expressar em suas canções a identidade dos rappers ligadas à periferia. Esse processo, ao mesmo tempo em que definia a temática defendida pelos rappers em suas canções, também definia a forma estética pela qual o rap se consolidou no Brasil, a partir do que foi intitulado aqui de crônica rap.

O posicionamento dos rappers sobre as questões que eles abordam em suas canções são feitas de um lugar social e simbólico próprio, onde não são aceitos posicionamentos de quem está de fora desse lugar social, o que resulta em posicionamentos ambíguos, contraditórios e amplos.

Palavras-chave


Rap paulistano; Identidade; Engajamento.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Elaine Nunes de. Movimento negro juvenil: um estudo de caso sobre jovens rappers de São Bernardo do Campo. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Educação, USP, 1996.

BUZO, Alessandro. Hip Hop: Dentro do Movimento. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2010.

CALDEIRA, Teresa. Cidade de Muros. Crime, segregação e cidadania em São Paulo. São Paulo: Editora 34, 2000

CAMARGOS, Roberto. Música e política: percepções da vida social brasileira no rap. Dissertação de Mestrado. Instituto de História. Universidade Federal de Uberlândia, 2011.

DOURADO, Henrique Autran. Dicionário de termos e expressões da música. São Paulo: Editora 34, 2004.

HERSCHMANN, Michel (org.). Abalando os anos 90: globalização, violência e estilo cultural. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

MONTEIRO, José Lemos. Manual da análise e criação do estilo literário. São Paulo: Vozes, 2005.

PIMENTEL, Spency. O Livro vermelho do Rap. São Paulo: Escola de Comunicação e Artes/USP, 1997. Trabalho de Conclusão de Curso.

SILVA, José Carlos Gomes da. Da terra da garoa ao holocausto urbano. In: Revista do Núcleo de antropologia urbana da USP. Ponto Urbe. Ano 4 Versão 6. 2010.

SILVA, José Carlos Gomes da. Juventude e segregação urbana na cidade de São Paulo: os números da vulnerabilidade juvenil e a percepção musical dos rappers. In: Revista do Núcleo de antropologia urbana da USP. Ponto Urbe. Ano 1 Versão 1, 2007.

SILVA, Mario Augusto Medeiros da. Fazer História, fazer sentido: Associação Cultural do Negro (1954 – 1964). In: Lua Nova. São Paulo. N° 85, 2012.

SOUSA, Rafael Lopes de. Movimento Hip Hop. A anticordialidade da República dos Manos e a estética da violência. São Paulo: Annablume, 2012.

VILLAÇA, Mariana. Polifonia Tropical. Experimentalismo e engajamento na música popular (Brasil e Cuba, 1967 – 1972). São Paulo: Humanitas, 2000.

VINCI DE MORAES, José Geraldo. História e música: canção popular e conhecimento histórico. In: Revista Brasileira de História, Vol. 20. N. 39, São Paulo, 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2318-8855.v1i1p7-33

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.