Portal da USP Portal da USP Portal da USP

Instrumentos de avaliação do desenvolvimento infantil de recém-nascidos prematuros

Naíme Diane Sauaia Holanda Silva, Fernando Lamy Filho, Mônica Elinor Alves Gama, Zeni de Carvalho Lamy, André do Lago Pinheiro, Diego do Nascimento Silva

Resumo


A melhoria significativa dos cuidados intensivos neonatais causou uma redução na mortalidade em necém-nascidos de risco e, portanto, um aumento de sua morbidade, o que realçou a importância da avaliação do desenvolvimento dessas crianças. Esta revisão de literatura foi desenhada para identificar os principais instrumentos indicados para avaliar o desenvolvimento dos pré-termos. As bases de dados utilizadas foram Medline, Lilacs, Scielo, manuais dos instrumentos e livros na área de Pediatria por apresentarem maiores detalhes sobre os instrumentos e não estabelecer limite de tempo, pois o objetivo da pesquisa foi identificar desde os instrumentos mais antigos até os publicados recentemente. Foram identificados 11 instrumentos de avaliação do desenvolvimento publicados desde 1947 a. O conhecimento dessas escalas e dos testes pode ajudar aos profissionais de saúde e pesquisadores que trabalham com o desenvolvimento de crianças prematuras, pois constituem uma ferramenta adicional durante o processo de avaliação. A escolha do instrumento de avaliação deve ser realizada em acordo com as necessidades de cada criança. Podendo ser utilizados para a triagem, diagnóstico, planejamento e acompanhamento do tratamento.

Palavras-chave


prematuridade;desenvolvimento infantil;avaliação do desenvolvimento infantil

Texto completo:

PDF

Referências


Rugolo, LMSS. Growth and developmental outcomes of the extremely preterm infant. J Pediatr. 2005; 81(1):101-110.

Formiga CKER, Pedrassani ES, Tudella E. Desenvolvimento motor de lactentes pré-termos participantes de um programa de intervenção fisioterapêutica precoce. Rev. Bras. Fisioter. 2004; 8(3): 239-245.

Linhares MBM, Carvalho AEV, Machado C, Martinez FE. Desenvolvimento de bebês nascidos pré-termo no primeiro ano de vida. Paidéia. 2003;13(25):59-72.

Obana AY, Oshiro M. A terapia ocupacional em bebês de risco: reflexos sobre a clínica. Cadernos do Centro Universitário São Camilo. São Paulo. 2002;8(3):58-61.

Almeida KM, Dutra MV, de Mello RR, Reis AB, Martins PS. Concurrent validity and reliability of the Alberta Infant Motor Scale in premature infants. J Pediatr (RioJ). 2008;84(5): 442-448.

Santos DCC, Ravanini SG. Aspectos do diagnóstico do desenvolvimento motor. In: Moura MV, Gonçalves VM. Neurologia do desenvolvimento da criança. Rio de Janeiro: Revinter; 2006. p. 258-69.

Francisco RN, Caon G, Bissani C, Silva CA, Sousa M, Silva L. Características neuropsicomotoras de crianças de alto risco neurológico atendidas em um programa de follow up. Pediatria Moderna. 2006;42(2):79-85.

Mancini MC, Teixeira S, de Araújo LG, Paixão ML, Magalhães LC, Coelho ZAC, et al. Estudo do desenvolvimento da função motora aos 8 e a 2 meses de idade, em crianças pré-termo e atermo. Arq. Neuropsiquiatr. 2002;60(4): 974-980.

Gesell, A, Amatruda CS. Diagnóstico do desenvolvimento: avaliação do desenvolvimento neuropsicológico no lactente e na criança pequena: o normal e o patológico. 4th ed. Rio de Janeiro: Atheneu; 2000.

Gesell, A, Ames LB. The development of handiness. J Genet Psychol 1947; 70:155-75.

Ferreira AT, Silva MMA, Silva L, Merighi LBM, Miranda AM, De-Vitto LPM, Lamônica DAC. Desempenho comunicativo em trigêmeos prematuros. Rev CEFAC, São Paulo. 2008;10(1):15-21.

Hage SRV, Joaquim RSS, Carvalho KG, Padovani CR, Guerreiro MM. Diagnóstico de crianças com alterações específicas de linguagem por meio de escala de desenvolvimento. Arq Neuropsiquiatr. 2004;62(3-A): 649-653.

Bayley N. Bayley Scales of Infant Development. San Antonio, TX: The Psychological Corporation, 1969.

Tecklin JS. Fisioterapia Pediátrica. 3 ed. Porto Alegre: Artmed, 2002.

Bayley, N. Bayley Scales of Infant Development - Second Edition, Administration Manual. San Antonio, TX: The Psychological Corporation, 1993.

Bayley, N. Bayley Scales of Infant and Toddler Development - Third Edition, Administration Manual. San Antonio, TX: The Psychological Corporation, 2006.

Lordelo ER, Chalhub AA, Guirra RC, Carvalho CS. Contexto e desenvolvimento cognitivo: freqüência à creche e evolução do desenvolvimento mental. Psicologia: Reflexão e Crítica. 2007;20(2):324-334.

Sweeney JK, Swanson MW. Crianças debaixo peso ao nascer: cuidados neonatais e acompanhamento. In: Umphred DA. Reabilitação neurológica. 4ª ed. São Paulo: Manole; 2004. p. 213-71.

Frankenburg WK, Dodds JB. The Denver Developmental Screening Test. J Pediatr. 1967; 71(2): 181-191.

Rezende MA, Beteli VC, Santos JLF. Avaliação de habilidades de linguagem e pessoal-sociais pelo Teste de Denver II em instituições de educação infantil. Acta Paul Enferm. 2005;18(1): 56-63.

Frankenberg WK, Dodds J, Archer P, Shapiro H, Bresnick B.The Denver II: amajor revision and restandardization of Denver developmental screening test. Pediatrics. 1992; 89-91.

Rezende MA, Beteli VC, Santos JLF. Follow-up of the child’s motor abilities inday care centers and pre-schools. Rev Latino-Am Enfermagem. 2005; 13(5):619-25.

Souza SC, Leone C, Takano AO, Moratelli HB. Desenvolvimento de pré-escolares na educação infantil em Cuiabá, Mato Grosso, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro. 2008; 24(8): 1917-1926.

Santos RS, Araújo APQC, Porto MAS. Early diagnosis of abnormal development of preterm newborns: assessment instruments. J Pediatr (Rio J). 2008; 84(4):289-299.

Tecklin, JS. Fisioterapia Pediátrica. 3ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2002, 479 p.

Umphred DA. Reabilitação Neurológica. 4 ed. Barueri: Manole, 2004. p.475-505.

Effgen SK. Fisioterapia Pediátrica: atendendo as necessidades das crianças. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007.

Zdanska-Brincken M, Wolanski N. graphic method for evaluation of motor development in infants. Dev Med Child Neurol. 1969; 11(2): 228-41.

Brazelton TB, Nugent JK. Neonatal behavioral assessment scale. 3 ed. London: Mac Keith Press; 1995.

Harris SR, Brady DK. Infant neuromotor assessments instruments: a review. In: Sweeney JK. The high-risk neonate: developmental therapy perspectives. Binhhamton, NY: Haworth Press, 1986. p.135-8.

Lacerda TTB, Magalhães LC. Análise da validade dos itens do Movement Assessment of Infants - MAI - para crianças pré-termo. Rev. Bras. Saúde Matern.Infant. Recife. 2006; 6(3): 297-308.

Schirmer CR, Portuguez MW, Nunes ML. Clinical assessment of language development in children at age 3 years that were born preterm. Arq Neuropsiquiatr. 2006; 64(4): 926-931.

Salokorpi T, Rajantie I, Kivikko I, Haajanen R, Rajantie, J. Predicting neurological disorders in infants with extremely low birth weight using the movement assessment of infants. Pediatr Phys Ther. 2001;13(3): 106-109.

Dubowitz LMS, Dubowitz V. The neurological assessment of the preterm and full term newborn infant. Clinics in Development Medicine, 79. London: SIMP; 1981.

Barradas J, Fonseca A, Guimarães CL, Lima GM. Relationship between positioning of premature infants in Kangaroo Mother Care and early neuromotor development. J Pediatr (RioJ). 2006; 82: 475-80.

Mello RR, Dutra MVP, Silva KS, Lopes JMA. Valores de predição da avaliação neurológica e ultra-sonográfica cerebral neonatal em relação ao desenvolvimento de prematuros de muito baixo peso. Rev Saúde Púb. 1998; 32(5):420-429.

Folio R, Fewel R. The Peabody Developmental Motor Scales (Manual). Astin: Pro Ed, 1983.

Ponjaert-Kristoffersen I, Tjus T, Nekkebroeck J, Squires J, Verté D, Heimann M, et al. Psychological follow-up study of 5-year-old ICSI children. Hum Reprod. 2004; 19(12): 2791-2797.

Campbell SK, Girolami GL, Kolobe THA, Osten ET, Lenke MC. Test of infant motor performance. 3 ed. Chicago: 2001.

Campbell SK, Kolobe TH, Osten ET, Lenke M, Girolami GL. Construct validity of infant motor performance. Pediatr Phys Ther. 1995; 75: 585-586.

Campbell SK. Test-retest reliability of the test of infant motor performance. Pediatr Phys Ther. 1999;11:60-66.

Santos RS, Araújo AP, Porto MA. Early diagnosis of abnormal development of preterm newborns: assessment instruments. J Pediatr. (Rio J). 2008;84(4):289-299.

Piper MC, Darrah JM. Motor Assessment of the Developing Infant. Alberta: WB Saunders, 1994.

Piper MC, Pinnell LE, Darrah J, Maguire T, Byrne PJ. Construction and validation of the Alberta Infant Motor Scale (AIMS). Can J Public Health.1992; 83(2): 546-550.

Bartlett DJ, Fanning JE. Use of the Alberta Infant Motor Scale to characterize the motor development of infants born preterm at eight months corrected age. Phys Occup Ther Pediatr. 2003; 23(4): 31-45.

Manacero S, Nunes ML. Evaluation of motor performance of preterm new born during the first months of life using the Alberta Infant Motor Scale (AIMS). J Pediatr (Rio J). 2008; 84(1): 53-59.

Vieira MEB, Ribeiro FV, Formiga CKMR. Principais instrumentos de avaliação do desenvolvimento da criança de zero a dois anos de idade. Rev Movimenta. 2009; 2(01): 23-31.




DOI: http://dx.doi.org/10.7322/jhgd.19998

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.