Portal da USP Portal da USP Portal da USP

O lúdico no desenvolvimento da criança com paralisia cerebral espástica

Regina Cristiane N. C. Peres

Resumo


O presente estudo teve como objetivo construir um ambiente lúdico constituído de jogos e brincadeiras com a finalidade de estimular o desenvolvimento co^cnitivo c motor de crianças com paralisia cerebral espástica em idade pré-escolar. O estudo se fundamenta na teoria sócio-histórica de Vy cotsky que considera que as atividades lúdicas interferem no processo de desenvolvimento motor e coercitivo da criança em idade pré-escolar, uma vez que por intermédio das brincadeiras a criança pode exercitar suas potencialidades. Sete crianças em idade pré-escolar com paralisia cerebral espástica participaram de um programa de intervenção com jogos e brincadeiras durante o período de um semestre. totalizando vinte e seis sessões. Os resultados indicaram que j ogos e brincadeiras podem facilitar o desenvolvimento cognitivo e motor destas crianças, pois houve melhora quanto à coordenação, ao equilíbrio e à preensão dos objetos. Foi também observada melhora na atenção das crianças, com discriminação e aprendizado de cores.

Palavras-chave


Educação. Educação especial. Paralisia cerebral. Atividades lúdicas. Desenvolvimento.

Texto completo:

PDF

Referências


Fonseca JP. Educar, assistir, recrear: um estudo de objetivos da pré-escola. São Paulo: Editora da USP; 1981. (Estudos e Documentos).

Aufauvre MR. Aprender a brincar, aprender a viver: jogos e brinquedos para a criança deficiente, opção pedagógica e terapêutica. São Paulo: Manole; 1987.

Kishimoto T. O jogo e a educação infantil. São Paulo: Pioneira; 1994.

Brougère G. Jogo e educação. Porto Alegre :Artes Médicas; 1998.

Carvalho LMG. As atividades lúdicas e a criança com paralisia cerebral: o jogo, o brinquedo e a brincadeira no cotidiano da criança e da família [dissertação]. Campinas (SP): Universidade Estadual de Campinas, 1998.

Elkonin DB. Psicologia do jogo. São Paulo: Martins Fontes; 1998.

Lorenzini MV. Brincando a brincadeira coma criança deficiente: novos rumos terapêuticos. São Paulo: Manole; 2002.

Vygotsky LS. Dèfectologie et dèficience mentale. Paris: Delachauseet Diestlè; 1994.

Friedmann A. A evolução do brincar. In: Friedmann A. et al. O direito de brincar: a brinquedoteca. São Paulo: Scritta/ABRINQ; 1992.p.23-31.

Oliveira PS. Brinquedo e indústria cultural. Petrópolis: Vozes; 1986.

Silva e colaboradores. Memória e brincadeiras na cidade de São Paulo nas primeiras dé-cadas do século XX. São Paulo: Cortez /CENPEC; 1989. (Biblioteca da Educação. Série 1. Escola, v. 7.

Brougère G. Brinquedo e cultura. São Paulo: Cortez; 1997.

Ide SM. O jogo e o fracasso escolar. In: Kishimoto TM. Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. São Paulo: Cortez; 1996. p.89-107.

Oliveira PS. Brinquedos artesanais e expressividade cultural. São Paulo: Sesc-Celazer; 1982.

Le Boulch J. Educação psicomotora. Porto Alegre: Artes Médicas; 1988.

Meur A, Staes I. Psicomotricidade: educação e reeducação. São Paulo: Manole; 1984.

Finnie NA. O manuseio em casa da criança com paralisia cerebral.2ª ed. São Paulo: Manole; 1980.

Ludke M, André MEDA. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: Pe-dagógica e Universitária; 1986.

Willliams LCA, Aiello ALR. O Inventário Portage operacionalizado: intervenção com família. São Paulo: Memnon; 2001.

Blascovi-Assis MS. Lazer e deficiência men-tal: o papel da família e da escola em uma pro-posta de educação pelo e para o lazer [tese].Campinas (SP): Faculdade de Educação Física da Universidade Estadual de Campinas;1995.

Goffman E. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro: Zahar; 1988.




DOI: http://dx.doi.org/10.7322/jhgd.40114

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.