Portal da USP Portal da USP Portal da USP

QUE MORRA O “HOMEM CORDIAL” - Crítica ao livro Raízes do Brasil, de Sérgio Buarque de Holanda

Ramatis Jacino

Resumo


O artigo busca debater alguns paradigmas produzidos por Sérgio Buarque de Holanda, em especial o conceito de “Homem cordial” que, na minha compreensão, refletem o pensamento oligárquico brasileiro, repetindo e aprofundando teses de Gilberto Freyre. Teses estas que sustentam termos vivenciado em nosso país uma escravidão amena e relação fraternal entre escravizadores e escravizados, (com o proprietário representando, no máximo, o papel de um patriarca severo) resultado de suposta “índole cordial” daqueles e de uma sujeição passiva destes. Relação esta que teria como consequência a construção de uma “democracia racial” a partir do momento que a escravidão se tornou ilegal. Critica, ainda, a interpretação que o autor teve dos fatos e processos que levaram a constituição da nação brasileira e a desqualificação dos indígenas, dos negros e dos portugueses, apontados como responsáveis por um suposto fracasso dessa nação, devido a singularidades inerentes a sua condição étnico/racial.

Palavras-chave


Racismo; escravidão; cordialidade; brasileiros

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.1983-6023.sank.2017.137189

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.